Hashtag #digital – Uma introdução

Por Pedro Mendes

A interseção entre o mundo digital e a cultura é uma das minhas grandes paixões. Como tal, foi apenas uma questão de tempo até começar a escrever sobre o assunto. Não é novidade a inclusão da tecnologia nas artes performativas, e é algo que vemos cada vez mais. No entanto, esse será outro artigo, ou série de artigos, ou mesmo um livro. Hoje, quero abordar a forma como os artistas podem usar o digital para mostrar o seu trabalho.

Existem muitas formas de estar presente na esfera digital: Ter um site, ter presença nas redes sociais, e usar o e-mail são as principais. Todos, ou quase todos, usamos uma ou várias na nossa vida pessoal. Mas será que as aproveitamos para dar destaque às nossas actividades artísticas? Em próximos artigos vou destacar cada uma delas, mas para já fica uma primeira abordagem.

Ter um site

Um site corresponde à nossa “casa virtual”. É um local nosso, e não um espaço “alugado”, como é o caso do Facebook. Se Mark Zuckerberg decidir acabar com a empresa, ou mudar de ramo de actividade, nada poderemos fazer, e perderemos todas as nossas publicações. Num site, pelo contrário, controlamos o que publicamos, quando publicamos, e como publicamos. Há muitas soluções gratuitas (ou muito baratas) para ter um site. Falarei delas em breve.

Redes sociais

O parágrafo anterior não quer dizer que não devamos ter uma presença nas redes sociais. Devemos certamente estar presentes e ativos nelas. O que não devemos é depender exclusivamente delas. Do que me é dado a observar, as redes sociais mais atrativas para os artistas são o Facebook e o Instagram, ambas curiosamente detidas pela mesma empresa. No Facebook devemos ter uma página dedicada ao nosso trabalho artístico, onde partilhamos informações do interesse do público (bastidores, agenda, fotos). No instagram, plataforma de partilha de fotos, deveremos partilhar imagens relativas ao nosso trabalho, não esquecendo um cunho pessoal, para que haja uma maior ligação ao público. Cada uma destas plataformas terá um artigo a elas dedicado.

Artigo relacionado: 9 erros a evitar nas redes sociais

E-mail

O e–mail continua a ser uma ferramenta de trabalho fundamental para artistas e não artistas. É por esta via que se mantêm contactos nacionais e internacionais, se trocam informações, documentos, e se responde a questões. O email ainda confere um cunho pessoal (e oficial) à comunicação.

É por isso fundamental termos uma presença digital. Quando foi a última vez que enviaram um fax, ou mandaram uma carta por correio? Provavelmente há muito tempo ou, em alguns casos, nunca. Os meios digitais vão continuar a crescer em importância e, cada vez mais, é importante sermos fluentes no seu uso.

Em artigos futuros, vou abordar em mais detalhe estas questões do mundo digital e aplicá-las à realidade dos artistas. Falarei das principais redes sociais, de como ter um site atrativo, de listas de distribuição de e-mail, e de muito mais.

A Linguagem Próxima, de que o Coffeepaste faz parte, presta agora o serviço de consultoria digital. Sabe mais aqui.

Pedro Mendes
Formado em Engenharia de Informática, trabalha há cerca de 20 anos no mundo digital, e publicou um livro de entrevistas com startups portuguesas. Tem tido vários blogs desde 2002. É um apaixonado desde sempre pelas artes e cultura. É um dos fundadores do Coffeepaste.

Comments

  1. Desde projectos artisticos, alguns de grande peso que estive envolvida, até às oficinas artisticas, que desenvolvo e elaboro para crianças, trabalhos muito apreciadas, mas pouco “vistos”. Obrigada Pedro Mendes, certamente, as tuas palavras serão uma grande ajuda para muitos.

Deixa o teu Comentário