Madalena Alberto – Entrevista

MadalenaAlbertoMadalena Alberto, cantora e actriz, tem feito furor nos palcos Londrinos com participações em grandes sucessos musicais como “Les Miserables”, “Piaf”, e “Evita”.

Conta-nos um pouco o teu percurso até chegares aos palcos do West End londrino.
Além das disciplinas normais na escola, eu andava numa escola de dança (Escola de Dança Ana Mangericão), onde além de ter muitas aulas de dança, tinha teatro. Comecei a cantar por acaso mas nunca pensei seguir carreira. Queria ser actriz e tinha feito um filmezinho para a SIC. Até que uma escola de performing arts de Londres foi à minha escola de dança fazer um workshop, e depois de trabalharem connosco uma semana convidaram-me a estudar com eles, com uma bolsa de estudo. Foi certamente um exemplo de sorte pois eu nunca tinha sonhado ir para Londres, nem em fazer teatro musical.

Para além da dimensão, que diferenças notas entre a comunidade artística do Reino Unido e a de Portugal?
Eu noto grandes diferenças. Já trabalhei um pouco em Portugal por isso sei que mesmo a forma de trabalhar (horários, custos de produção, e o treino) são diferentes. Mas também acho que uma comparação não é justa. Inglaterra tem uma grande história de teatro, onde há um grande incentivo para se ir ao teatro desde pequeninos e os musicais fazem parte da vida de muita gente. Há muitas escolas que dão formação, muitos teatros regionais, e mais que isso, há público.
Acho que Portugal tem pouco público, por isso é difícil fazer-se dinheiro em produção de espectáculos. Aqui tens espectáculos que estão em cena há mais de 25 anos sem parar! Tens os turistas que não se vão embora sem ver uma peça no West End, e todos os teatros regionais têm as pessoas que moram fora de Londres.
Dizendo tudo isto, não quer dizer que com menos gente, menos dinheiro, não se possa fazer peças com qualidade. Conheço muita gente “nova” com muita sede de trabalhar e a tentar criar as suas próprias oportunidades. Acho que é o caminho certo.

Achas que és um dos casos típicos da sina de muitos portugueses: “Só depois de ter sucesso ‘lá fora’ é que nos reconhecem ‘cá dentro’”?
Não vejo nada isso assim… Acho que se eu tivesse ficado em Portugal teria tanta oportunidade de ser um nome, ou não. Fui para Londres muito cedo e é tudo subjectivo, depende das oportunidades mais do que a geografia. Houve uma altura que pensei em não vir para Londres e fazer novelas em Portugal. Haha
Também nunca fui de publicitar o meu trabalho “cá fora” mas fico feliz que apenas com o meu trabalho, e o meu nome a ser falado em Portugal, eu possa servir de exemplo de que é possível seguir este caminho.

Já agora, como lidas com a exposição pública que o sucesso traz?
Em teatro eu não sofro com tanta exposição de imagem como se estivesse a trabalhar em televisão ou cinema. Gosto que as pessoas que me conhecem, conhecem por terem visto o meu trabalho ou tenham sido recomendadas. Mas gosto do anonimato quando saio do teatro. Tenho colegas que foram ou são grandes estrelas noutras áreas (música ou cinema) e que agora fazem teatro comigo, e não invejo nada a falta de liberdade que têm no seu dia-a-dia.

O que antevês para a cultura em Portugal, no meio da crise que atravessamos?
Quem me dera poder prever o futuro! Acho que com crise ou sem crise é difícil prever. Tantas vezes a arte perde qualidade com a sua popularidade. E já fiz muitos trabalhos com muita qualidade sem dinheiro nenhum envolvido. Gostava de pensar que mesmo sem muitos meios, o discernimento dos artistas e produtores levem trabalho ao público que seja benéfico e inspirador.

http://www.madalenaalberto.com

Comments

  1. Sempre foste linda e agora és linda e bem resolvida!!!! Oxalá, como tu dizes, apesar da crise, o nosso pequeno (grande) rectângulo se decida a apostar na massa talentosa que possuímos e crie condições para que consigamos “dar a volta” a esta cultura pouco dada ao espectáculo, tão necessária para que vingue. Nós temos a experiênbcia que isso é possivel: a geração que agora está nos 13/20 só não vai mais porque não existe oferta com que eles se possam identificar. E eles passarão aos seguintes… e assim sucessivamente… Parabéns pela tua Fantine (Les Misérables), Piaf e Evita (só para falar nas últimas. Xi-coração

Deixa o teu Comentário