Laboratório Coreográfico Farmácia de Fanon

Entidade promotora
JACC – Jardim Botânico de Coimbra – UC

LABORATÓRIO COREOGRÁFICO FARMÁCIA DE FANON
Por Vânia Gala
Vânia Gala iniciou uma investigação na Estufa Tropical do Jardim Botânico de Coimbra. Esta pesquisa – envolvendo visitas e conversas com investigadores ligados ao Jardim Botânico- focou-se em relações biológicas, sensoriais, mas também históricas, económicas, coloniais que esta estufa guarda.

Este laboratório coreográfico centrar-se-á na ideia de nos pensarmos nós humanos como uma inter-espécie de dependência, i.e. pensado o humano como um emaranhado de associações que questiona directamente o controle humano da natureza e a divisão natureza-cultura. Focar-nos-emos em plantas e substâncias específicas ligadas à Estufa Tropical bem como à sua performatividade. Mas também na estufa enquanto laboratório para um modo particular de ver, articular e fazer. As plantas nunca foram, nem são simplesmente objecto botânicos neutros e passivos mas sim agentes activos da história e política com poder spiritual, ideológico por detrás das quais uma rede subterrânea de conexões entre homem-planta que se entrelaçam. Trabalhando a partir de um ponto de vista duplo – da África e da Europa – o projeto considera as plantas como testemunhas e agentes da história, e como actores dinâmicos através dos quais natureza e humanos, medicina tradicional e medicina moderna, tradição e modernidade se cruzam.

Através da performance, som e de vários materiais – performativos, sonoros e olfactivos exploraremos o ‘nacionalismo botânico’ e outros legados do colonialismo, migração e invasão de plantas nos quais o sistema de classificação de Lineu é peça central.

Serão propostas diferentes áreas de inspiração para criar material que sirva à criação coreográfica relacionadas com as propriedades não-humanas das plantas do Jardim Botânico de Coimbra e sua relação com os humanos. Como organizar e desorganizar actos performativos num lugar particular e em corpo(s) fazendo uso de ferramentas de improvisação e de auscultação. Estudaremos atentamente diversas metodologias de auscultação. O dar voz ao não óptico. Explorar-se-ão novas capacidades de corpos infrequentes como performers: plantas, matérias olfactivas, “coisas”, lugares. A partir deste laboratório serão gerados materiais que farão parte de uma performance executada pelos participantes na Estufa Tropical do Jardim Botânico.

Calendarização:
Dias 9, 10 das 17:45-21:45 Convento de São Francisco
Dias 11 das 11:00-13:00 14:00-17:30 Convento São Francisco
Dia 12 das 11:00-13:00 14:00-17:30 Convento São Francisco
Dia 13, 14 17:45-20:00 Estufa Tropical + zona circundante

Inscrições:
E-mail: re.forma.bluehouse@gmail.com

DESTINATÁRIOS:
Destina-se a jovens (maiores de 15 anos), estudantes universitários, artistas e público em geral com interesse na área da coreografia, performance e suas intersecções.

Biografia
Coreógrafa, investigadora. Doutorada pela Universidade de Kingston. Leciona no programa MA|MFA Coreografia do Trinity Laban, sendo responsável pela unidade curricular “examining practice”. Os seus interesses incidem sobre práticas experimentais em performance, dança com ênfase em noções de recusa, (não)performance, opacidade.

Data limite
8 Junho

Local
Coimbra

Data de realização
Dias 9, 10 das 17:45-21:45 Convento de São Francisco Dias 11 das 11:00-13:00 14:00-17:30 Convento São Francisco Dia 12 das 11:00-13:00 14:00-17:30 Convento São Francisco Dia 13, 14 17:45-20:00 Estufa Tropical + zona circundante

Gratuito sem custos

Contactos
Inscrições:
E-mail: re.forma.bluehouse@gmail.com

Mais informações

Tipo

Formação

Disciplinas

Dança, Outra

Localidade

Coimbra