Como produzir/ser uma arma falsa

Por Ivo Saraiva e Silva Ruiz Alonso disse a Miguel Rosales: <<Fizeram mais dano com a caneta do que outros com a pistola>>., in SOREL, Andrés, 1998, Eu, García Lorca, trad. Luís Filipe Sarmento, Navarra: Editorial Txalaparta s.l. Os dispositivos tecnológicos que fazem parte do quotidiano têm-se revelado ferramentas cruciais no modus vivendi de uma […]

BoCA

À medida que o verão expira os derradeiros bafos estivais, sente-se chegar o bom hálito da BoCA em suaves ventos que varrem o país, de norte a sul. A Bienal de Arte Contemporânea tomou um rebuçado de mentol e refrescou a programação nacional durante o mês de setembro, trazendo à cena alguns nomes que se […]

Achas?

Por Patrícia Portela Uma vizinha minha sai de todas as perguntas difíceis com a pergunta: Achas? Por exemplo: Pergunta: E tu, alguma vez tomaste drogas? Resposta: Achas? Pergunta: Mãe, posso ficar até mais tarde no bar dos primos da Carlota? Resposta: Achas? Achar, para esta minha vizinha, é um passe de bola para a outra […]

Que seria?

Por Lara Mesquita A propósito, um pouco de ficção: Mia vira à esquerda no cruzamento entre a Rua Morais Soares e a Praça do Chile. Começa a descer a Avenida Almirante Reis. Cruza-se com as pessoas que por lá passam e seguem as suas vidas. Ouve “The man I love”, de Billie Holliday. Duas amigas […]

Coffee Break Episódio 64: Cenas de filmes para teatro

Neste episódio poderão ouvir mais uma leitura encenada do ciclo “Dramaturgia transatlântica”. “Dramaturgia Transatlântica”, é uma parceria do Coffeepaste com a 33 Ânimos, onde mensalmente vos trazemos uma leitura encenada de um autor lusófono e contemporâneo. O Texto de hoje chama-se “Cenas de filmes para teatro”, é da autoria de Carlos Pessoa, e é interpretado […]

Apenas algumas anotações de bairro

Por Keli Freitas Com uma caneta chinesa comprada dos nepaleses na rua do Zaire, anoto meu telefone no caderno francês da minha colega do Japão que não sabe onde fica a estação do metrô de Roma. Tivemos de pedir à professora de Estudos Portugueses para falar em inglês porque as italianas não estavam a perceber […]

a chinesa que tomava conta da reprodução dos pandas chineses

Por Ondjaki – Sabe onde posso encontrar os seus contos? – Nas livrarias – disse com tom óbvio. – Não? – Esse foi o meu raciocínio mas, como sabe, não leio chinês. – Que línguas pode compreender? – Português, inglês, espanhol. E, por vezes, julgo compreender a língua das mãos e dos gestos de cada […]

Ciclo Antipríncipes, de Cláudia Gaiolas

Todos os dias somos bombardeados por feitos heroicos de personagens ficcionadas que deitam raios laser pelas vistas ou cuja força é capaz de parar um comboio em pleno andamento. A elas se juntam, já extemporâneas, as divas dos contos de fadas cujo pó se torna cada vez mais premente sacudir. Apesar de assistirmos a um […]

Rarefação

Por Inês Lampreia Decorrida a ação principal, o ator surgiu novamente em palco e, recuperando os modos do teatro da antiguidade clássica, proferiu o epílogo de forma humilde, solicitando alguma compreensão do público: “E assim entrámos na década da rarefação.  ̶  disse, de olhos fincados na plateia  ̶  Os escritores do futuro serão rarefeitos. Virão […]

Coffee Break Episódio 60: Tempo desejado, imposto ou negociado

O Periferias Centrais surgiu em 2018, com o objetivo de refletir e desmistificar os conceitos de “centro” e “periferia”, evidenciar a massa crítica que existe em cada lugar, partilhar ideias e métodos de trabalho e criar uma base de apoio entre colegas. Hoje ouviremos o segundo de quatro debates trimestrais, que teve por título “Tempo […]