Paul Jebanasam & Tarik Barri

Quando:
20 de Dezembro, 2017@10:00 pm_11:30 pm
2017-12-20T22:00:00+00:00
2017-12-20T23:30:00+00:00
Onde:
Maria Matos Teatro Municipal
Av. Frei Miguel Contreiras 52
1700 Lisboa
Portugal
Contacto:
Maria Matos Teatro Municipal
218 438 801

Na capa de Continuum, álbum de Paul Jebanasam editado no ano passado, está a fotografia de um reator de fusão do centro energético de Culham, em Inglaterra. A grande maioria de nós não consegue compreender a sua mecânica e atividade, mas reconhecemos na sua imagem um poder que nos transcende. Acima de tudo, esta imagem, de uma máquina altamente tecnológica que desafia a nossa realidade, abre-nos as portas de uma imaginação que também ela nos transcende, com limites tão distantes quando as próprias dimensões do universo. Foi neste campo de possibilidades infinitas que Paul Jebanasem criou Continuum, um magnífico álbum que coloca a eletrónica em constante exploração por vida no Universo, elaborando uma possível banda sonora para a sua História, desde o aparecimento dos primeiros sinais de vida até a uma hipótese de futuro do Cosmos. Dividindo-se em três partes, Continuum recria eventos celestiais, algoritmos em ação, comportamentos celulares, como se tanto olhássemos para o céu como para um potente microscópico: tudo cabe dentro desta obra, tal como tudo existe à nossa volta.

Mas uma banda sonora é apenas o lado musical de todo este filme. Continuum existe, sobretudo, na sua presença (e ausência) em palco, em que toda a especulação musical é transposta para uma especulação visual. Tarik Barri, um dos estetas visuais dos dias de hoje (com trabalho importante para Monolake ou Thom Yorke), conta-nos o que pode ter sido esta bonita História do Universo, com uma poesia luminosa que nos inquieta e transcende. Continuum é, na sua versão ao vivo, uma obra-prima estonteante, e um dos momentos mais felizes em como a eletrónica encontrou numa tela a sua perfeita identidade visual. Poucas, mesmo muito poucas experiências numa sala de concertos têm esta magia. Arrisquemos a palavra “milagre”, porque também é esse o substantivo que nos lembramos quando tentamos pensar no Universo.
Ficha Artística

eletrónica
Paul Jebanasam

vídeo
Tarik Barri

Deixa o teu Comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.