Apenas algumas anotações de bairro

Por Keli Freitas Com uma caneta chinesa comprada dos nepaleses na rua do Zaire, anoto meu telefone no caderno francês da minha colega do Japão que não sabe onde fica a estação do metrô de Roma. Tivemos de pedir à professora de Estudos Portugueses para falar em inglês porque as italianas não estavam a perceber […]

Aulas de afogamento

Por Keli Freitas Nunca fui boa em natação. Eu afundo. Durante algum tempo, em pequenas, eu e minha irmã fizemos aula de natação. Ela descobriu um grande talento inato. Eu descobri que afundo. Há poucos dias afundei no mar da praia da Laginha, na ilha de São Vicente, em Cabo Verde. É um mar de […]

Tá difícil falar de coisa bonita

Por Keli Freitas Tá difícil falar de coisa bonita, tá difícil falar de coisa triste, tá difícil falar de coisa boa, tá difícil falar de coisa ruim, tá difícil falar. Tô precisando ficar calada um pouquinho. Às vezes é o que dá. * Lembrei de uma vendedora de cerveja que vi há séculos numa rua […]

Problemas na composição da lágrima

Por Keli Freitas Descobri há pouco tempo que meu pai está com uma coisa chamada síndrome do olho seco. É algo relacionado a problemas na composição da lágrima, ou produção deficiente de lágrimas. Que o meu pai teria produção deficiente de lágrimas não era difícil desconfiar. O que eu nunca imaginaria era essa síndrome, que […]

Maneiras de pescar um McFish

Por Keli Freitas O dia já ia tão mal que achei que almoçar no McDonald’s, e me sentir ainda pior, seria a forma mais razoável de dar seguimento às coisas. Mas como tudo nessa vida dá trabalho, e eu não vou ao McDonald’s há muito tempo, tenho de fazer um esforço intelectual enorme e indesejado […]

Fake Plastic Peace

Por Keli Freitas Esses dias, Letícia me contou do filho de um amigo que perguntou: “Pai, táxi é tipo um uber?” Raquel me disse “Tenho saudade dos percursos”, André me falou: “Sinto falta de descansar no metro”. Assim vamos levando. Algum rainbow tem que ser the new black. Esses dias comprei uns fones de ouvido […]

O benefício dá dúvida

Por Keli Freitas Não sei por que a coisa foi assim, mas foi assim: eu era uma criança com muita vergonha de perguntar. Intuía que a falta de certezas era algo muito malvisto, e me apavorava a ideia de que o mundo suspeitasse da vastidão de coisas que eu não era minimamente capaz de compreender. […]