Achas?

Por Patrícia Portela Uma vizinha minha sai de todas as perguntas difíceis com a pergunta: Achas? Por exemplo: Pergunta: E tu, alguma vez tomaste drogas? Resposta: Achas? Pergunta: Mãe, posso ficar até mais tarde no bar dos primos da Carlota? Resposta: Achas? Achar, para esta minha vizinha, é um passe de bola para a outra […]

Eu, Lixo

Por Patrícia Portela Diz o dicionário que LIXO é tudo o que se varre de casa, tudo o que não presta, tudo o que se deita fora, o que vai parar a um caixote, a um esgoto, a um aterro. O LIXO é uma imundície, são detritos, sobras, é tudo o que pode ser eliminado. […]

Almas

Por Patrícia Portela Querido Dimitry, Fui hoje esclarecida (graças a uma entrevista de fundo, publicada num jornal nacional de renome, a uma emigrante russa, de seu nome Olga) sobre a verdadeira diferença entre a alma portuguesa e a alma russa: “Enquanto Camões não hesitou em deixar a namorada afogar-se, escolhendo salvar o manuscrito dos Lusíadas […]

Fazer Luz

Por Patrícia Portela Fazer é elaborar, executar, construir. Dar existência a coisas que, se não as fizermos, não o são. É pegar nas coisas, nas ideias, nos planos, com as duas mãos, e oferecer-lhes um lugar para acontecerem. Fazemos uma escada, fazemos uma escola, fazemos uma porta. Faz-se um jantar, faz-se amor, faz-se à medida, […]

Despacito

Por Patrícia Portela Há um milhão de palavras na língua inglesa– a que tem mais palavras no mundo, acredita-se. Aproximadamente 170 000 destas palavras são de uso corrente. Um dicionário vulgar pode ter até 500 000 palavras, aproximadamente. Um cidadão médio de vinte anos conhece aproximadamente 40 000 palavras mas usa apenas 20 000 para […]

Frankenstein e a quarta mulher

Por Patrícia Portela Estava numa conferência sobre a situação actual no Brasil, num festival literário intitulado Primavera Brasileira em março de 2018. O encontro acontecia num edifício do estado português em Paris, com o apoio de uma Fundação, também ela portuguesa mas fundada por um arménio detentor de uma fortuna graças a poços de petróleo […]

A esfinge e o ser ocidental

Por Patrícia Portela Um ser humano, um homem, atravessou um deserto como se passeasse e, enquanto andava, pensava. Andou tanto sem avistar a cor verde que a sua fome e a sua sede acabaram por ver, lá ao fundo, um oásis guardado por um muro. E para lá caminhou. À porta, uma esfinge. A esfinge, […]

(Abro aqui um parêntesis)

Por Patricia Portela Porque já me cruzei com Husserl, o filósofo que afirma que todos temos uma missão, e que recusá-la é fechar os olhos à nossa própria humanidade, porque o meu coração parou quando viu Alibi, de Meg Stuart e porque li Kertész pela primeira vez demasiado tarde para me dizer sua cúmplice mas […]

Para onde vai o sentido? Bom, falava de Husserl…

Por Patricia Portela Após a leitura do meu primeiro Husserl, A crise da Humanidade europeia e a filosofia, inscrevi-me no curso Filosofia e Primeira Guerra Mundial, em Leuven, do meu muito estimado filósofo e professor Nicolas Fernando de Warren. Foi trágico. Em menos de três meses tinha de aceitar que todos, repito, todos os filósofos […]

A verdade é a nossa ilusão, a nossa maior desilusão é a mentira

Por Patricia Portela Sentei-me e apontei estas palavras, decidida a começar esta crónica. Mas quando me debrucei sobre elas e me dei ao trabalho de as ler com mais atenção, percebi que não é isto o que penso nem o que quero dizer. E corrigi a frase para: A mentira é a nossa ilusão, a […]