Os livros, afinal, não nascem nas prateleiras

Por Isabel Garcez As Novas Cartas Portuguesas tiveram a sua primeira edição em 1972, pela Editorial Estúdios Cor. A Editorial Estúdios Cor já foi uma referência no meio literário português. Publicou nomes maiores quando ainda não eram nomes maiores. Como foi o caso destas autoras, embora Novas Cartas Portuguesas não tenha sido o primeiro livro […]

Os Filhos do Medo

Por Rui Zink Não era a primeira vez que a via acossada e, agora, já sabia o que esperar. Semanas, talvez meses, de pesadelo. Mas depois a coisa passaria, até porque passariam (passam sempre, ou quase sempre) os motivos para ela se sentir assim. Acossada. Ná, ela não era paranoica. Pelo menos, não fora diagnosticada […]

Taciturnidade

Por Fernanda Mira Barros Terminei o texto anterior dizendo que Hedda Gabler não é de todo uma vaca. Referia-me à protagonista da peça homónima e usei “vaca” em sentido figurativo. Porém, lendo ou assistindo à peça, o difícil é não concluir isso mesmo — porque Hedda Gabler é uma mulher vingativa, manipuladora, que trata mal […]

O Japão ficava tão perto

Por Ondjaki Há pessoas que escrevem a partir de dentro, e por isso qualquer país mesmo exterior lhes aparece com delicadeza e suavidade. É o caso da poeta Paula Tavares (Angola) e o poeta Eduardo White (Moçambique). Esta leitura é uma brevíssima homenagem a esses dois mágicos nomes da literatura universal. Uma espécie de leitura. […]

Para onde vai o sentido? Bom, falava de Husserl…

Por Patricia Portela Após a leitura do meu primeiro Husserl, A crise da Humanidade europeia e a filosofia, inscrevi-me no curso Filosofia e Primeira Guerra Mundial, em Leuven, do meu muito estimado filósofo e professor Nicolas Fernando de Warren. Foi trágico. Em menos de três meses tinha de aceitar que todos, repito, todos os filósofos […]

A bagageira intelectual

Por Rui Zink Há muitos anos tive uma mochila-biblioteca, a foto de um par de prateleiras com livros estampada num placard de 1,5 x 1,5 m, que com dois cordéis se podia trazer às costas, uma biblioteca-à-intelectual portátil, excelente para levar para todo o lado e impressionar os amigos. Espanta-me que ninguém se tenha lembrado […]

Deixe que me apresente

Por Fernanda Mira Barros Ia escrever sobre Ibsen, paixão minha, mas pus-me a pensar que, para escrever sobre alguém de tão gigantesca importância para mim, o que devia fazer era ler outra vez todas as peças e, além delas, todos os livros que tenho sobre ele e elas. Depois, deveria googlar ensaios que nunca li, […]

Aquelas andorinhas

Por Ondjaki Há coisas e lugares que nos voltam de dentro; escolhi palavras cheias de andorinhas que andaram perto e à margem da nossa infância da nossa rua como se ontem já soubéssemos que a saudade era uma palavra a voar ainda por cima dessas que regressam cheias de chuva a pesar sobre a escrita […]

A verdade é a nossa ilusão, a nossa maior desilusão é a mentira

Por Patricia Portela Sentei-me e apontei estas palavras, decidida a começar esta crónica. Mas quando me debrucei sobre elas e me dei ao trabalho de as ler com mais atenção, percebi que não é isto o que penso nem o que quero dizer. E corrigi a frase para: A mentira é a nossa ilusão, a […]